2 de julho de 2011

Microsoft apresenta o Windows 8



Nick Mediati, PCWorld EUA e Rafael Rigues, PCWorld Brasil
01-06-2011

Empresa mostrou um pouco dos recursos e da interface de seu próximo sistema operacional, radicalmente modificada para ser mais adequada ao uso em tablets.
O Windows 8 está a caminho, e será bem diferente do Windows que conhecemos hoje. Esta foi a mensagem que a Microsoft passou na noite desta quarta-feira (01/06) durante a nona edição da conferência anual D: All Things Digital (D9), realizada próxima o Los Angeles, EUA.
Na conferência a Microsoft apresentou uma versão preliminar do Windows 8, com uma interface radicalmente modificada. Em vez do tradicional desktop com janelas, barra de tarefas e Menu Iniciar, a interface se parece muito com a usada no Windows Phone 7, completa com "Tiles" otimizadas para uso com o toque.
A Microsoft também postou um vídeo que mostra alguns dos novos recursos. A empresa diz que a interface foi projetada não apenas para laptops e desktops, mas para tablets também. A nova interface com Tiles, "quadrados" coloridos que exibem informações e servem de atalho para aplicativos, substitui o tradicional menu iniciar e os ícones no desktop, de acordo com a empresa.
O Windows 8 irá rodar aplicativos Windows já existentes e terá suporte aos periféricos já existentes. O sistema também terá uma versão do navegador Internet Explorer 10 otimizada para toque, muito similar à versão do Internet Explorer utilizada no Windows Phone 7. Para facilitar o uso do sistema em Tablets a Microsoft também incluiu um teclado virtual completo, com um modo "separado" que agrupa as teclas nas laterais da tela para facilitar a digitação com os dedões.
Aplicativos desenvolvidos especialmente para o Windows 8 também serão diferentes, e usarão "o poder do HTML5, acessando recursos nativos do Windows através de JavaScript e HTML", diz a empresa. Ainda não está claro se isso significa que aplicativos para o Windows 8 serão exclusivamente baseados em  HTML5, JavaScript e outras tecnologias originadas na web ou se haverá a possibilidade de usar ferramentas de desenvolvimento mais tradicionais já oferecidas pela Microsoft e outras empresas.
Independência de hardware
Poucas horas após a apresentação na D9 representantes da Microsoft subiram ao palco no outro lado do mundo, na feira de tecnologia Computex em Taiwan, para demonstrar o Windows 8 num evento chamado "Microsoft Partner Preview". Nesta apresentação a empresa forneceu mais detalhes sobre o hardware onde o Windows 8 irá rodar.
O mais importante: além dos tradicionais PCs com processadores "x86" da Intel e AMD, o novo Windows também será capaz de rodar em sistemas equipados com processadores ARM (mesma arquitetura usada em tablets e smartphones) de empresas como a Qualcomm (família Snapdragon), Texas Instruments (família OMAP) e Nvidia (família Tegra). De fato, uma das máquinas no palco era um notebook ultra-fino equipado com o novo processador Nvidia Kal-El, um modelo com quatro núcleos, arquitetura ARM e impressionante desempenho gráfico recentemente demonstrado pela Nvidia durante a Computex.
O sistema também é capaz de acomodar vários tipos de PCs. Ao contrário do que aconteceu no lançamento do Windows Vista, o usuário não terá de comprar um novo PC para tirar proveito do sistema operacional: o Windows 8 terá os mesmos requisitos de sistema que o Windows 7, ou seja, poderá rodar em qualquer máquina que já rode o atual sistema operacional da Microsoft, de netbooks a desktops turbinados para gamers, com telas de toque ou teclado e mouse. Algumas das máquinas usadas durante a demonstração, como um notebook Samsung Série 9, são modelos que já estão no mercado (rodando o Windows 7).
 Para tirar proveito da nova interface é necessário um monitor com resolução mínima de 1024 x 768 pixels, sendo 1366 x 768 pixels (uma resolução "widescreen", ou 16:9), um pouco mais alta do que a resolução "HD", o recomendado. Máquinas com telas de resolução menor, como as de 1024 x 600 pixels usadas em netbooks, ficarão limitadas à interface desktop tradicional, a mesma do Windows 7.
Aplicativos escritos com as novas ferramentas de desenvolvimento para o Windows 8 são nativamente multiplataforma e rodarão em qualquer máquina com o sistema, seja um PC com um processador Intel Core i7 ou um tablet com um processador Qualcomm Snapdragon. Da mesma forma, não haverá um "Windows 8 para Tablets ARM" e um "Windows 8 para Desktops Intel". Haverá uma única versão do sistema, rodando em todas as máquinas.
Não ficou clara a questão da compatibilidade com os aplicativos legados. A Microsoft mostrou um sistema com Windows 8 rodando um aplicativo atual (o Office 2010), mas esta máquina era um PC com processador Intel. Não se sabe se as novas máquinas com processadores ARM serão capazes de rodar os aplicativos atuais (usando emulação ou uma máquina virtual, provavelmente com perda de desempenho) ou se ficarão restritas aos aplicativos escritos para o Windows 8.
O futuro do PC?
O que é interessante no Windows 8 é que ele é outro passo rumo à transformação dos computadores pessoais em aparelhos mais parecidos com tablets. A Apple também está deixando o Mac OS X mais similar ao iPad ao incorporar vários recursos do iOS ao Mac OS X 10.7 "Lion", embora o Windows pareça ir um passo adiante na fusão entre os tablets e os PCs.
A própria Microsoft confirma o escopo das mudanças, dizendo que o Windows 8 é "uma recriação do Windows, do processador à interface. Um PC com o Windows 8 é na verdade uma nova categoria de aparelho, que pode ir de telas pequenas sensíveis ao toque até os grandes monitores de um desktop, com ou sem um teclado e mouse".
Provavelmente haverá resistência a estas mudanças e teremos que esperar para ver como tudo funciona na prática. Mas o rumo está traçado.

Acesso em 02 de julho de 2011.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário